Vento no minho




Trago vinho e lembranças do outro lado da Bahia
Trago palavras perdidas e sentimentos disformes
E o que terá nome?
Vago pelo meu pensamento já perdido na volta
Onde estou?
Sou uma alcatéia de desejos e vontades,
Cadê os sinônimos?
Aonde foi parar o "pseudo-controle" do sentir?
O leve pesa na definição
Como assim palavras somem? Escorregam pelas mãos?...
Fico com o peso do teu corpo
Trago o teu sorriso delicado
O gosto da tua boca na manha desconcertada
Da intimidade ainda envergonhada,
guardo o que ainda quero sentir nesse dia que me vi perdido.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Meu Gato BIKE

RETRATO